Assembleia discute reajuste do funcionalismo em Santa Cruz

0
140
Com o intuito de discutir o reajuste do funcionalismo, o Sindicato dos Servidores Municipais (Sinfum) de Santa Cruz convocou uma assembleia para esta segunda-feira (28). O ato ocorreu ao longo da tarde de hoje na Praça da Bandeira, em frente ao Palacinho.

A proposta da Prefeitura de Santa Cruz é o aumento salarial em duas parcelas. A primeira seria em abril, quando o IPCA ficaria em torno de 11%, e a segunda em julho, com reajuste de 3,30%. Além disso, o vale-refeição passaria para R$ 700. Segundo a prefeita Helena Hermany, a intenção é também oferecer o vale-feira a partir do dia 1º de janeiro de 2023. O objetivo do vale é fazer com que as pessoas tenham uma alimentação mais saudável: “Também queremos ajudar o pequeno agricultor. Isso vai dar R$ 4 milhões ao ano que será injetado nas feiras rurais para o pequeno agricultor”.

Publicidade

Durante a assembleia, a prefeita aproveitou a oportunidade para falar sobre aumento de classificação das categorias. A ideia é, até o fim do mandato, proporcionar um aumento de classificação a todas as categorias que ganham menos. “Tentamos fazer o melhor possível pensando no funcionalismo como um todo, dando um aumento real para todos. Claro que tem defasagem salarial de muitos anos, mas que já está judicializado. Estou procurando fazer essa recuperação. Aqui há uma prefeita que está se preocupando”, complementa.

O presidente do Sinfum, Luis Selmar de Queiroz, destaca que o objetivo da assembleia é justamente discutir a proposta da prefeita Helena Hermany. “A proposta que o Município nos fez, se fosse só referente ao ano de 2021, seria excelente. Mas nós não estamos só com o ano de 2021 pendente. São os últimos três anos sem reposição e o percentual inflacionário desses três anos chega a 21%”, reforça. Ainda explica que a proposta tem até quarta-feira (30) para ser votada pela Câmara de Vereadores: “Então ela veio aos 45 minutos do segundo tempo, sem tempo de discussão. Hoje vamos deliberar se vamos aceitar ou não, mas se nós não aceitarmos a proposta, não temos mais tempo hábil para uma nova proposta. Então ou aceitamos esses valores propostos ou ficamos sem reajuste nesse ano também”.

Fonte: Portal Arauto