CISMAS (Coluna de Opinião)

0
439

A REFORMA MORAL

         Vivemos em uma época em que tudo está precisando de reformas.

         Não, não vamos falar em “peeling”, “ritidoplastia”,” lifting facial” e, muito menos em lipoaspirações…são outros tipos de reformas.

         Reformas aqui, ali, acolá…em vários setores deste país chamado Brasil é o que se está precisando, “aforante” ao que se trata de saúde e estética…

         Existem enormes excessos…haja reuniões, encontros, discussões, “retrias”, principalmente pela polarização política, mas também no que se fala de racismo, misoginia, urbanismo, idiotismo, grenalismo…chegando-se até o misoneísmo, que nada mais é do que a aversão, a repulsa a tudo que é novo ou contém novidade.

         O mesmo que neofobia.

         Mas, porém, e, todavia, o que estamos precisando mesmo (a reforma extremamente necessária neste país), é a reforma moral.

         Estamos falando de Reforma Moral.

         Ela deve acontecer de verdade no íntimo de cada cidadão que mora neste país, independentemente de credo, raça, opção partidária…ou seja lá o que for.

         Ninguém, hoje em dia, tem a coragem de dizer que não (que não precisamos de uma reforma moral), pois no andar da carruagem muitos e muitos perderam o rumo, perderam o caráter.

         Os acontecimentos, os fatos, as notícias estão aí para todos verem, ouvirem e lerem.

         Querem um exemplo, então lhes respondo com apenas uma pergunta: quem tem a coragem de dizer que neste país o crime não compensa?

         Precisa-se sim de reforma, e bota reforma nisso…

         Vamos mais ainda: e a educação, como está? Sucateada, com um ensino que precisa ser totalmente reformulado (pesquisem o Ideb) e, mais ainda, os prédios das escolas, em todos os lugares (norte, sul, leste e oeste), estão caindo aos pedaços.

         Daí você vai dizer que por aqui as coisas não estão tão ruins assim (que ótimo!), mas não somos apenas “aqui”, somos um país inteiro e, muitas vezes se viu em programas da televisão brasileira, escolas no norte e nordeste com salas de aula embaixo de árvores e o banheiro localizado nos matos da redondeza.

         Eu disse e repito: os banheiros para as crianças sendo no mato nativo nas vizinhanças das escolas com cadeiras (e somente cadeiras em péssimo estado), embaixo de árvores…

         Vamos adiante e muito mais ainda: a educação familiar está falida.

         As crianças devem ir para a escola com as lições de educação vindas de casa, pois nesta mesma escola elas estão lá para “aprender” e não para serem educadas…

         Então, como tem acontecido com o tratamento de muitos alunos por este Brasil afora em relação aos professores?

         Sim, existem exceções, mas também a violência tem sido corriqueira.

         Nossos professores estão sob pressão de todos os lados, dos pais, dos alunos, dos governos, nosso professores estão sendo ofendidos, agredidos em plena sala de aula: isso pode?

         O que é necessário, e salientamos de novo, é a reforma moral.

         Querem mais? E a saúde como está, o esgoto, a água encanada na sua vila, as ruas, as rodovias, os pedágios?

         E os poderes constituídos, legislativo, judiciário, executivo?

         Enquanto a caravana passa, nossas autoridades estão apenas preocupadas com itens que não nos interessam, mas interessam e muito a eles (vocês entendem, né?)

         Se em algum momento tivemos alguma admiração por alguma entidade neste país, hoje elas perderam totalmente a nossa confiança.

         Perderam a confiança e seus administradores o caráter.

         Existe o homem e existe a vida, e diz o ditado que a vida é mais forte do que o homem, todavia sem caráter, o homem faz da vida o que mal quer.

         Voltamos a afirmar: a reforma extremamente necessária nesse país é a reforma moral das pessoas e, consequentemente, das entidades, sem sombra de dúvidas.

         Todavia e infelizmente aqui neste país, “há quem passe por um bosque prazenteiro e vistoso, e só veja lenha para fogueira”.

         Ah! E não se esqueçam…vem aí mais uma eleição municipal, tapinha nas costas e promessas, promessas, muitas promessas…