Rodovias do RS registram manifestação de grupos de caminhoneiros nesta quinta-feira

0
260

As manifestações após o 7 de Setembro seguem sendo registradas em rodovias do Rio Grande do Sul nesta quinta-feira (9). Até o início da manhã, havia mobilização em estradas de diferentes regiões, como Vale do Rio Pardo, Vale do Caí, Fronteira Oeste, Serra, Litoral Norte e Região Central.

Veja os principais pontos com manifestações:

Em Candelária, manifestantes abordam caminhões na RS-287, na altura dos kms 81, 105 e 138, em Candelária, Santa Cruz do Sul e Venâncio Aires, respectivamente. Não há interdição total do tráfego.

Conforme o Comando Rodoviário da Brigada Militar (CRBM), o grupo convida caminhoneiros a participarem da mobilização, mas libera a passagem dos veículos após 15 minutos. A ação é registrada no trecho desde quarta-feira (8).

No km 82 da RS-287, próximo a Venâncio Aires, houve bloqueio total durante o dia. Cerca de 300 caminhões chegaram a ficar parados no local. Segundo a polícia rodoviária, após negociação, o trecho foi liberado e o trânsito estava fluindo por volta das 17h.

Já na RS-453, entre Venâncio Aires e Mato Leitão, caminhoneiros que fazem bloqueio desde a quarta-feira intensificaram a manifestação nesta quinta. Eles usam pneus e cones e para trancar a pista. A liberação ocorre a cada 30 minutos, mas não é descartado bloqueio total. A polícia rodoviária acompanha a situação e o trânsito é liberado aos poucos.

Vale do Caí

Há bloqueios parciais para veículos pesados na RS-122, em São Sebastião do Caí, nos kms 7, 64 e 96. Em outro ponto, na RS-240 em Montenegro, o trânsito está fluindo bem.

Serra gaúcha

O km 153 da Rota do Sol, em Caxias do Sul, chegou a ficar bloqueado por cerca de uma hora, mas foi liberado às 10h10min. Não há congestionamento no trecho. Manifestantes também estão no km 64 da RS-122, em Forqueta, entre a cidade e Farroupilha.

Em Flores da Cunha, no km 96 da RS-122, segundo o comando rodoviário, um grupo aborda caminhoneiros que estão passando pela estrada e solicitam que eles parem os veículos para aderir ao ato. Demais veículos estão sendo liberados. Esse é um dos pontos de maior mobilização. O trecho fica na rotatória de acesso a Nova Pádua.

Já na BR-116 há cinco pontos de manifestação, sendo que a maioria deles ocorre em Vacaria, onde um grupo também segue mobilizado na BR-285. Lá também há abordagem aos motoristas de caminhão. Contudo, até o momento, não há informações de bloqueios.

Outro ponto de bloqueio é a RS-235, no km 8, em Nova Petrópolis, onde há um grupo de pessoas mobilizadas desde o feriado de 7 de Setembro. Até as 9h desta quinta-feira, a rodovia ficou bloqueada. Durante a tarde, os carros de passeio foram liberados, mas os caminhoneiros eram convidados a parar. O clima no local era de tensão por volta das 17h.

Na RS-020, no km 96, em São Francisco de Paula, a mobilização começou por volta das 9h desta quinta-feira. Não há bloqueio.

André Fiedler / agencia RBS
Ponto com concentrações de caminhoneiros e agricultores no km 153 da Rota do Sol, em Caxias do SulAndré Fiedler / agencia RBS

Região Central

Nas rodovias federais, segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), houve bloqueio total no km 415 da BR-153, em Cachoeira do Sul, na Região Central, mas a liberação ocorreu às 9h30min.

Fronteira Oeste

Há bloqueios parciais na BR-290, no km 482, em Rosário do Sul, e no km 420, em São Gabriel. Só passam carros e caminhões com alimentos perecíveis. Outros veículos de transporte de cargas são retidos.

Região Metropolitana

Há um pequeno grupo de caminhoneiros na RS-040, em Viamão, entre as paradas 87 e 88, mas sem bloqueios.

Vale do Paranhana

Há lentidão em dois pontos na região. O primeiro ocorre na RS-239, no km 49, no trecho entre Parobé e Taquara, onde caminhoneiros de reúnem desde as 6h30min. Por volta das 16h30min, os manifestantes seguravam cartazes às margens da rodovia.

O outro é na RS-115, km 13, em Igrejinha, onde o protesto começou por volta das 9h.

Segundo o Comando Rodoviário da Brigada Militar, os manifestantes estão fazendo bloqueios temporários nas duas rodovias, causando lentidão. O comando afirma que acompanha as manifestações.

André Ávila / Agencia RBS
Manifestação também ocorre na RS-239, no km 49, em TaquaraAndré Ávila / Agencia RBS

Litoral Norte

Há manifestações em pelo menos dois pontos da BR-101. O maior é em Três Cachoeiras, onde manifestantes chegaram a parar caminhões no km 23, mas a rodovia já foi liberada.

Já em Osório, caminhoneiros liberaram a passagem de veículos no km 85 por volta das 9h. Foram cerca de duas horas e meia de bloqueio para caminhões que seguiam em direção a Torres.

Sul do RS

Um grupo de caminhoneiros se concentrou na lateral da BR-116, na altura do município de Camaquã. Segundo um motorista ouvido por GZH, apenas ônibus, veículos oficiais e automóveis particulares cruzavam o trecho, próximo à entrada da área urbana da cidade. Parte dos veículos foi escoltada pela PRF para seguir viagem, por volta das 8h.

A PRF informou também que começou a liberação do km 481 da BR-116, em Turuçu, às 9h.

A BR-392, em Pelotas, havia sido liberada pela Polícia Rodoviária Federal no final da manhã desta quinta-feira, mas voltou a ser bloqueada durante a tarde na altura do km 66.

Ronaldo Bernardi / Agencia RBS
PRF escoltou caminhoneiros em CamaquãRonaldo Bernardi / Agencia RBS

Norte do RS

Na BR-386, em Sarandi, caminhoneiros realizam um bloqueio total da rodovia junto ao pátio de dois postos de combustíveis. A liberação ocorre em cada um dos sentidos a cada 20 minutos e os agentes federais seguem negociando com os manifestantes. O bloqueio fica próximo ao posto da Polícia Rodoviária Federal.

Presidente grava áudio

As manifestações tiveram início após os atos de 7 de Setembro, convocados pelo presidente da República, Jair Bolsonaro. Ainda que exista a intenção de alguns de dar seguimento aos bloqueios, a categoria diz estar “confusa” e apresenta divisão.

Grande parte dos representantes da classe com quem GZH conversou disse que não recomenda a participação nos atos e que a orientação para a iniciativa vem do setor do agronegócio e de lideranças políticas. O cenário de Brasília é um fator decisivo para definir a continuidade dos bloqueios.

Diante da mobilização em ao menos 14 Estados, o presidente Jair Bolsonaro gravou um áudio pedindo aos caminhoneiros que liberem as estradas. Na mensagem, Bolsonaro trata os caminhoneiros como “aliados” e diz que a ação “atrapalha a economia”.

Balanço do Ministério da Infraestrutura, divulgado na madrugada desta quinta-feira, apontou que havia pontos de concentração em rodovias federais de 15 Estados