RS começa a fazer vigilância genômica da febre amarela

0
297

Mosquitos silvestres são responsáveis pela transmissão do vírus da febre amarela

Amostras do vírus da febre amarela começaram a ser sequenciadas pelas equipes do Centro Estadual de Vigilância em Saúde (Cevs). O sequenciamento genético permitirá à Vigilância monitorar a circulação das linhagens de vírus da febre amarela que ocorrem no Estado. Será possível, por exemplo,  verificar se é o mesmo vírus que está avançando para diversos lugares ou se uma linhagem foi extinta e houve outra reintrodução. A análise da dinâmica das linhagens do vírus contribui para as ações de controle e de enfrentamento da doença.

É o primeiro estudo próprio realizado no Rio Grande do Sul sobre a linhagem deste vírus, transmitido por mosquitos silvestres, incorporando a vigilância genômica ao programa de prevenção da febre amarela. Até agora, a análise genética de amostras do vírus do RS era realizada pelo apenas pelo laboratório referência, a Fiocruz Paraná.

A Universidade de Brasília (UNB) vinha realizando o sequenciamento, em amostras retiradas de macacos contaminados pelos mosquitos, através do projeto de pesquisa Febre Amarela BR, financiado pelo CNPQ e que atua em cinco regiões do Brasil, incluindo o sul. Apesar de vulneráveis à infecção, os macacos não transmitem a doença. O nível de contaminação deles, no entanto, indica a circulação do vírus e o risco para os humanos.

“Com o trabalho, a Secretaria da Saúde vai colaborar com informações complementares que auxiliam na modelagem da doença e que também enriquecem o conhecimento sobre o vírus”, explicou a chefe da divisão de vigilância ambiental, Aline Campos. “Os dados obtidos a partir do sequenciamento acrescentam informações sobre a disseminação e a manutenção do vírus da febre amarela, auxiliando no direcionamento dos esforços de controle”.

Publicidade

Para atuar no sequenciamento do vírus da febre amarela, os servidores da Divisão de Vigilância Ambiental (DVAS) e do Centro de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CDCT) do Cevs receberam treinamento do Pós-Doutorando da UNB, Miguel Souza. A preparação das equipes é parte do projeto de pesquisa Febre Amarela BR, do qual a Secretaria da Saúde participa através do Cevs, ganhador de uma chamada do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações.

Fonte: Assessoria de Comunicação Social – SES/RS