Caso Bernardo: encerrados os depoimentos das testemunhas

0
264

Com os seis depoimentos realizados ao longo dessa quarta-feira (22), foi encerrada a etapa de oitivas de testemunhas no júri de Leandro Boldrini. O pai de Bernardo Boldrini é acusado de ser o mentor intelectual da morte do filho, ocorrida em abril de 2014. O julgamento está ocorrendo no Salão do Júri do Fórum da Comarca de Três Passos. Assim como na terça-feira (21), o réu não acompanhou os depoimentos. Segundo os advogados de defesa, Lenadro Boldrini teve problemas de saúde.

Nesta quinta-feira (23), o júri se encaminha para a reta final. A previsão é de que pela manhã tenha ocorrido o interrogatório do réu, encerrando a fase de instrução plenária. Já na parte da tarde, devem ser realizados os debates orais entre acusação e defesa. Após, o Conselho de Sentença se reunirá para decidir sobre o caso.

Publicidade

Depoimentos

O primeiro depoimento realizado nessa quarta-feira foi de Marlize Cecília Renz, que trabalhou com Leandro no Hospital de Três Passos. Ela afirmou que o médico era extremamente focado no trabalho e ocupado, mas que tratava o filho com carinho e confiava que Graciele e as babás tomassem conta dele. A madrasta, no começo da relação, era amistosa com o enteado, mas a situação mudou com a chegada da filha caçula. Contou que a tensão se agravou com a ida do menino até as autoridades, no começo de 2014, para relatar a situação vivida em casa, o que despertou a raiva de Graciele.

Publicidade

Marlize também relatou que, dias antes do desaparecimento de Bernardo, se deu conta de que havia sumido ampolas de Midazolam (o sedativo utilizado para colocar Bernardo Boldrini para dormir) e que comunicou o fato a Leandro e Graciele, porque o fato não era comum. Disse que Leandro sabia que a companheira não gostava do enteado e que, inclusive, escondia as chaves de casa para que a criança não entrasse e não dava comida para Bernardo. Já em relação a Leandro, disse que nunca viu nenhum gesto de desamor ou agressivo dele com Bernardo.

Primo e amigo de Leandro, Andrigo Rebelato foi ouvido na condição de informante. Advogado, ele atua em processos cíveis representando o réu. Seu depoimento foi o último e o mais longo do dia. Os diálogos interceptados por telefone quando o médico já estava preso foi um dos pontos centrais da oitiva. Em um deles, Rebelato liga para um irmão de Leandro, orientando que sacasse o dinheiro das contas bancárias do médico, antes que a decisão judicial que determinasse o bloqueio dos valores fosse cumprida.

Ele contou que soube da morte de Bernardo através da mãe.  “Ela disse que tinha algo muito errado. Depois da ligação da minha mãe, comecei a compactuar com a ideia dela”, afirmou.

Fonte: TJ / RS