CISMAS (Coluna de Opinião)

0
604

MAL-INFORMADOS

         Vivemos numa época em que somos totalmente mal-informados, infelizmente.

         Aliás, a humanidade caminha a passos largos para a total pandemia maléfica de informações errôneas e mal-intencionadas.

         Não tem como confiar, seja em apenas e tão somente uma frase que hoje circula por aí, e seja em qual plataforma que for.

         Mas, na maioria das vezes você vai encontrar em um lugar…

         Não precisa ser nem um pouco perspicaz para saber: está lá, em sua grande parte e diariamente: nas redes sociais.

         É claro que também está nas ruas, nos botecos, nos clubes…

         Contudo, sete em cada dez brasileiros se informam por meio das redes sociais, e isso afeta as informações.

Portanto, é importante lembrar que nem tudo que circula nas redes é confiável. 

Verificar a autenticidade das informações é fundamental para evitar cair em golpes e desinformação.

         Se já está assim e desse jeito, imaginem com a utilização da IA (Inteligência Artificial), que paulatinamente vem sendo manipulada, principalmente, para coisas não recomendáveis pela cartilha que rege nossa integridade física e moral.

         A grande maioria das informações que rodam por aí e nas redes sociais são uma grande cilada.

         Engodo.

         Prezam por dar um golpe em alguém, querem fazer acreditar em outras verdades que são grandes mentiras, tentam enganar as pessoas de qualquer jeito e tanto faz, como tanto fez …

         Difícil.

         Nada mais dá para acreditar.

         Todas as informações que rolam nas redes sociais, mas tudo mesmo e infelizmente, precisam ser checadas.

         É a “Infodemia”, e, por isso, estamos sempre e atualmente mal-informados, pois nem tudo é verdade, portanto, podemos estar contando mentiras…então, vivemos com a má-informação.

         Todavia, a imprensa ainda tenta de todas as maneiras se cercar de informações verídicas e, para tanto, aciona um exército de regras, fontes fidedignas, aparatos eletrônicos, processamento de dados…enfim, para que o fim da linha, o leitor (a), tenha em mãos algo que possa confiar, o que decididamente não é encontrado nas redes sociais.

         É simples assim.

         Nos dias de hoje e pela velocidade das informações, coisa que no passado era inimaginável, a grande maioria dos “teores” são grandes e objetivos embustes.

         Portanto, dá para afirmarmos que estamos nos dias de hoje muito “mal-informados”.

         Cuidado, muito cuidado…sejam críticos e verifiquem a procedência das informações antes de compartilhá-las. 

Afinal, a disseminação de notícias falsas pode ter consequências negativas sob todos os aspectos, principalmente para a saúde mental, a segurança online e até mesmo as finanças pessoais.

         Novamente volto a afirmar que a imprensa tenta de todas as maneiras acionar seus meios para que as informações cheguem a nós com toda a veracidade possível, portanto ainda é a fonte de conhecimento, ou esclarecimento, ou comunicação mais confiável nos nossos dias.

         Ainda mais agora, quando logo ali vão começar as campanhas políticas.

         Sendo assim, devo-lhes confessar que tenho muito mais fé na imprensa oficial, aquela que prima por seus conteúdos e procuram ser isentas.

         Somos muito mal-informados, mas se tivermos olhos (e ação) principalmente para as redes sociais, de somente ver e praticar o lado bom, o lado saudável, de apenas e tão somente acreditar que ali é um lazer, um recanto de coisas amenas, ela vai ser um passatempo do bem, um oásis para as nossas atribulações, um bom lugar para “ser e estar”.

         Pensem nisso.