Diogo Kucharski recebe o Troféu Peleador da Serra do Sudeste

0
537

Na noite de segunda-feira (13), durante abertura dos festejos farroupilhas do CTG Rodeio de Encruzilhada, aconteceu a entrega do Troféu Peleador da Serra do Sudeste, neste ano em sua quinta edição. O troféu é uma honraria concedida a pessoas que desenvolvem trabalhos de relevância no âmbito cultural do município e desta vez, o agraciado foi Diogo Kucharski, responsável pela tradicional festa do Bumba-Meu-Boi em Encruzilhada do Sul. O nome foi uma indicação do idealizador do projeto, Alessandro Severyn e passou pela aprovação da patronagem do CTG.

O homenageado esteve acompanhado da família e amigos, que também fazem parte da tradição que o Bumba-Meu-Boi representa, passando de geração para geração, fazendo a alegria do público sempre no sábado após o carnaval, na noite de enterro dos ossos.

Teve ainda uma crônica especial escrita por Alessandro Severyn, som do atabaque de Tiago Lima e a visita do Boi de pano, que esteve acompanhado do grupo Bate Lata, do Centro de Formação Divina Providência, muita cultura, folclore e emoção em uma só noite.

O homenageado publicou um texto em suas redes sociais, agradecendo o reconhecimento:

“Gratidão é a palavra que resume a inesquecível noite de ontem (13/09/2021) no C.T.G. Rodeio de Encruzilhada na abertura da Semana Farroupilha 2021, uma noite que jamais esquecerei.

Noite de valorização, reconhecimento, uma noite memorável, noite de muita emoção por sermos abençoados e responsáveis em mantermos viva a Tradicional Festa do Bumba Meu Boi de Encruzilhada do Sul.

Confesso pra todos que nunca imaginei receber uma homenagem assim, receber o Troféu Peleador da Serra do Sudeste, idealizado pelo meu grande amigo Alessandro Severyn e da Patronagem do C.T.G. Rodeio de Encruzilhada.

Uma homenagem de coração, de dedicação, de valorização, de reconhecimento, de amor no que eu, meus familiares e amigos (irmãos) fazemos todos os anos, sempre no primeiro sábado após o Carnaval, no “Enterro dos Ossos”, quando o Bumba Meu Boi ganha vida.

Lembro-me de quando criança, num canto da cozinha, na noite da Festa, haviam duas bandeiras vermelhas que estavam guardadas, separadas com a cara do Boi, onde uma pessoa perguntou: “de quem eram aquelas bandeiras?” E meu avô respondeu: “Uma é minha e a outra é do meu neto Diogo”. Fiquei numa felicidade em poder desfilar ao lado do meu avô com uma bandeira igual a dele. Meu Pai era o “Mascarado” responsável pelos foguetes, e tinham dois cavaleiros, pilchados, também com bandeiras, o Preto e o Pinto e o nosso Veterinário Tino. Tio Pelega e o Alemão corriam com a armação do Boi. Assim eu cresci, vendo meu avô pilchado tocando gaita nos pontos de visita de percurso do Bumba Meu Boi.

No dia do Boi, meu avô decorava toda casa com as bandeiras, instrumentos musicais, esperando que chegasse a hora do Boi ganhar as Ruas da Cidade. Ele sempre dizia pra mim: “… o dia que eu morrer tu é que vai seguir…. se tu não seguir, eu venho puxar teus pés rapaz…” até hoje eu tenho essa voz dentro da minha cabeça…, não como tormento…, mas como um ORGULHO que não consigo descrever. Saber que estamos seguindo honrando o seu legado é o que nos dá força, pois pra mim, no dia do Boi, sempre sentirei falta do meu Avô e do meu Pai…, mas graças a Deus tenho minha esposa Josseane, meus filhos Rafael e Sophia, minha Mãe Jalda, meus irmãos Tiago e Renta, meu Sogro Luiz, minha Sogra Solanja, meus Tios e Primos, nossa equipe (irmãos): Dago, Beto, Renato, Edinho, Lisandro, Jocimar, Murruga, Edejar, Wilian, Tiago, Alexandre, Valdecir, Dulcimar, Marcelinho, Rodrigo, Fernanda e Laura, Roberta, Eduardo, Duduzinho, Liane, Arthur, Lise, Rubens, Dudinha, Jaíce, Cândida, Lea, Claudete, Cris, Breno, André, Bernardo, Gugu, Indianara, Vitor e Miguel que estão sempre comigo nessa linda missão de seguir levando o nome da nossa cidade onde quer que vamos com o BUMBA MEU BOI! O sonho do meu filho Rafael é seguir a Tradição… isso é indescritível….não tem preço!

É por pessoas que se dedicaram em manter esta Tradição, que saímos todos os anos honrando seu legado. Com louvor, entraram pra História do nosso Município Sr. Humberto Fossa e meu avô Fermino da Luz Silveira, por resgatarem essa Festa que é única no Estado do Rio Grande do Sul.

Em 2004, meu avô Fermino da Luz Silveira ganhou o Troféu Cultura Gaúcha em Porto Alegre, onde estava presente e também agraciado com o mesmo Troféu, o Sr. João Carlos D’Ávila Paixão Côrtes, folclorista, compositor, cantor, radialista e pesquisador rio-grandense. É também um dos fundadores do MTG, o Movimento Tradicionalista Gaúcho.

Em 2010, fomos a Florianópolis, representar o Estado do Rio Grande do Sul no encontro Nacional de Bois, onde estavam o Caprichoso, o Garantido, Boi Mamão, Boi Bumbá e o nosso Bumba Meu Boi.

Agradeço de coração ao meu amigo Alessandro Severyn, a Patronagem do C.T.G. Rodeio de Encruzilha, ao Prefeito Municipal de Encruzilhada do Sul Benito Paschoal e aos demais presentes na inesquecível e memorável noite, MUITO OBRIGADO!”