A TRISTE REALIDADE DA RSC-471

0
252

As péssimas condições de trafegabilidade e os inúmeros acidentes na RSC-471, muitos deles, trágicos, já não são novidade. Agora, somados ao atraso nas obras do Avançar RS, programa do Governo do Estado, que promete a manutenção de diversas rodovias do estado – entre elas a RSC-471, levou parte da população encruzilhadense à revolta. Em menos de uma semana, foram três manifestações com bloqueios na rodovia.

Na quinta-feira (26) e no sábado (28), populares trancaram a rodovia na altura da Balança, permitindo a passagem dos veículos a cada uma hora. Na segunda-feira (30), a interrupção aconteceu em frente a Tramontina, desta vez, foram mais de três horas de bloqueio, a pista foi bloqueada com madeira e queima de pneus.

Dada a austeridade da manifestação, os agentes de segurança pública foram acionados para acompanhar junto ao local, mas nenhuma ocorrência foi registrada. Só foi permitida a passagem de ambulância, carros da saúde, carga de oxigênio, médicos credenciados e ônibus escolares.

A desobstrução só aconteceu mediante ao atendimento da principal reivindicação dos manifestantes, o recebimento, por parte do Departamento Autônomo de Estrada de Rodagem (DAER) de uma comissão formada por parte dos engajados.
Na reunião, o Superintendente Regional do DAER em Santa Cruz do Sul, engenheiro Leonardo do Amaral Ribeiro, informou ao grupo que nesta quarta-feira (01) inicia uma ação emergência, através de uma operação tapa buracos e a fresagem do pavimento, isto é, a retirada do material danificado da pista. Ainda, que até o dia 18 de setembro iniciarão as obras prometidas pelo AvançasRS, conserto do asfalto, poda na vegetação das margens da rodovia e pintura de sinalização horizontal.

Dada a austeridade da manifestação, os agentes de segurança pública foram acionados para acompanhar junto ao local, na via só era permitido passar ambulância, carros da saúde, carga de oxigênio, médicos credenciados e ônibus escolares.

“O atraso nas obras, a falta de informação por parte dos agentes públicos nos fizeram agir por nós mesmos. É desesperador esse número de acidentes, é todo o dia. Conseguimos, fomos atendidos e vamos ficar cuidado o prazo e se não for resolvido, vamos bloquear novamente”, desabafou um dos manifestantes.